“Guerra dos Sexos” funcionou mais no drama do que na comédia

domingo, 28 de abril de 2013


É sempre grande a expectativa pelo remake de uma novela que fez muito sucesso no passado. As comparações acabam sendo inevitáveis. Os saudosistas que acompanharam a versão original estão sempre dispostos a apontar as diferenças e o que não está funcionando na versão atual. É difícil manter um distanciamento. Mas é necessário. Os tempos são outros, a sociedade e – principalmente – a TV são outras. Nosso olhar sobre a TV também, inclusive. 

“Guerra dos Sexos”, a novela de 1983, foi um marco e, de certa forma, revolucionou o horário das sete horas da Globo. A responsabilidade de Silvio de Abreu – o autor – era ainda maior. Também de Jorge Fernando, o diretor geral deste remake, que foi um dos diretores da novela original. Há ainda o fato de Jorginho ter sido o responsável pelo remake de “Ti-ti-ti”, em 2010, considerado um grande êxito: esperava-se a mesma repercussão nesta regravação de outro sucesso do passado. Esperava-se muito desta nova “Guerra dos Sexos”. 

A novela estreou em um período por demais ingrato. Horário Político, Horário de Verão, festas de fim de ano, calor, tudo isso contribui para que as pessoas não estejam na frente da TV na hora da novela. A média geral na audiência da Grande São Paulo foi a pior já registrada no horário: 23 pontos no Ibope. Mas é importante salientar que esta baixa acometeu todo o horário nobre da TV aberta. Também “Salve Jorge” (às 21 horas) e “Lado a Lado” (às 18), registraram recordes negativos. Fenômeno este muito particular de São Paulo, haja vista que essas novelas tiveram números bem mais expressivos em outras praças. 

A trama de Silvio de Abreu tem todos os ingredientes para o sucesso. A história é boa, o elenco e a produção são de primeira, os personagens são carismáticos, tem humor (necessário para o horário) e tem o melodrama (necessário para qualquer folhetim). No início, criticou-se muito o anacronismo do tema central – a luta entre homens e mulheres, em voga em 1983, mas um tanto quanto obsoleto nos dias atuais. Mas Silvio sempre foi categórico ao afirmar que não escreveria um compêndio sobre o assunto – seu objetivo era apenas divertir e fazer rir do ridículo desta luta insana entre homens e mulheres. Foi assim em 1983 e foi assim atualmente, guardadas as devidas proporções. 

O autor prometeu mudanças na história, mas poucas foram vistas. As mais objetivas ficaram para o final, como o desfecho de alguns personagens. Mas é fato que Charlô (Irene Ravache) – para caber na proposta atual – já não era mais uma feminista ferrenha como outrora. Otávio (Tony Ramos) manteve o ranço dos machistas irascíveis, o que conferiu certo exagero na interpretação de Tony Ramos em alguns momentos. O português Dominguinhos foi um respiro nas chatices de Otávio e deu a Tony a oportunidade de ampliar sua interpretação. Mesmo quando Otávio retornou, já estava mais humano, o que fez Tony Ramos brilhar em várias sequências. 

No elenco, vale destacar também a interpretação marcante de Drica Moraes e Glória Pires (as irmãs Nieta e Roberta, respectivamente), que em nada deixaram a dever às intérpretes originais, Yara Amaral e Glória Menezes – opa, olha a comparação! Bianca Bin teve a sorte de lhe cair nas mãos uma vilã, tipo mais rico e fácil de interpretar do que a mocinha (como havia sido a Açucena de “Cordel Encantado”, o trabalho anterior da jovem atriz). Edson Celulari cresceu com a novela: o estranhamento de um Felipe abobalhado no início foi se dissipando com o próprio amadurecimento do personagem ao longo da trama. 

Se por um lado acho um equívoco acusar o tema central de “Guerra dos Sexos” de anacrônico, por outro vejo anacronismo no humor da novela – talvez este o seu maior problema. O autor propunha uma mistura de estilos de comédia, que vinha desde o humor infantil de desenho animado até o humor sofisticado do cinema clássico americano. Mas o resultado na tela passou batido. Talvez a direção não soube compilar essa sofisticação na hora de tirar do papel e passar para a tela. Faltou à direção fazer rir – o grande trunfo da novela em 1983. 

De “Guerra dos Sexos”, ficamos com os momentos risíveis proporcionados por Nieta (Drica Moraes), Dona Semíramis (Débora Olivieri), Frô (Mariana Armellini), Dominguinhos (Tony Ramos), Olívia (Marilu Bueno) e alguns outros. E o lado folhetinesco da trama. Sempre se espera de uma novela que o público torça pelos seus casais românticos e se questione sobre os destinos dos personagens: “Com quem Nando vai ficar, Roberta ou Juliana?” “Ou Roberta fica com Felipe?” “E o fim de Carolina?”. Por conta dessa especulação em torno de seus desfechos, a novela viu sua audiência crescer na reta final, tendo inclusive ultrapassado os 30 pontos (a meta no horário) em uma ocasião. A “Guerra dos Sexos” de 2012-2013 saiu-se melhor no melodrama. 

Do Blog do Nilson Xavier | Imagem: Divulgação TV Globo

0 comentários:

Postar um comentário

leia também