“Máscaras” acerta no roteiro mas erra na realização

segunda-feira, 16 de abril de 2012

O que se viu até agora de Máscaras – a nova trama da Record, que estreou semana passada – justifica o seu título. A novela é enigmática, mascarada mesmo! Mas confunde mais do que desperta curiosidade. Lauro César Muniz já afirmou que seus personagens são mascarados, e parece que vai levar isso às últimas consequências. O autor usa de um recurso perigoso: o de não entregar a história de cara. Não que isso seja ruim, mas na realização – que é feita pela direção da novela – pode acabar confundindo o telespectador desatento e afastá-lo.

Nota-se que Lauro e Renato Modesto – o co-autor – não perdem tempo. Eles são incisivos no drama dos protagonistas e impregnaram a trama com um clima pesado desde a primeira cena. Maria – vivida por Miriam Freeland, a melhor do elenco até agora – é uma mulher com tensão pós-parto que, supostamente, tentou matar o filho. Logo em seguida, teve seu bebê raptado, para depois ela ser raptada. O marido e o irmão de Maria se acusam mutuamente. Mas, quem está dizendo a verdade? Maria? Otávio, o marido (Fernando Pavão)? Martim, o irmão (Heitor Martinez)? Todos ou nenhum?

E se por trás deste suposto drama familiar estiver uma organização internacional mal intencionada? Intriga internacional e teorias da conspiração já foram abordadas por Lauro César Muniz em novelas como Poder Paralelo (2009-2010) e O Salvador da Pátria (1989). Em Máscaras, já ficam claras as intenções do autor de repetir essa temática, com personagens situados fora do país, como Martim, a prostituta Manu (Gisele Itié) e a personagem de Paloma Duarte, a que não ousa dizer seu nome.

Percebe-se, entretanto, que existe um desacerto entre os autores e a realização da novela. Fotografia, trilha sonora, cenários e elementos de cena destoam do que os personagens falam. Explico: é como se os autores estivessem querendo passar uma mensagem e os diretores não estivessem conseguindo realiza-la à altura. O texto de Lauro César Muniz é certeiro, irônico e inteligente. Mas a impressão que se tem é que ele não encontrou na produção da novela um ambiente propício para causar o efeito que propõe.

A cena do jantar em que Valéria (Bete Coelho) reúne os amigos para anunciar o “descasamento” com o marido, Gomide (Henri Pagnocelli), poderia ter sido ótima, se não fosse tão mal realizada. Sabemos que são vários atores experientes em cena, o elenco é bom. Mas a direção fez tudo parecer capenga. O mesmo para as cenas que se seguiram, em que as mulheres ficam sozinhas, em especial a que Sônia (Bruna di Tulio) tira a peruca e avisa a todas que está com uma doença terminal. São cenas longas, declamadas, sem trilha sonora, que tornam os diálogos cansativos.

A novela está lenta e existe um claro desacerto entre os autores e a produção. Mas ainda é cedo para afirmar que paira no ar uma sombra negra de Os Gigantes. Tem muito chão pela frente, muita história para rolar e tudo pode mudar. Inclusive a abertura – fica a dica!

Do Blog de Nilson Xavier | Imagem: Reprodução

0 comentários:

Postar um comentário

leia também